Diocese de Viana

(98) 3351-1174

Artigos › 23/04/2020

Coronavírus versus Deus: Deus vai vencer

san-miguel-arcangel1

A pandemia de coronavírus é demoníaca. E isso significa que algo bom está prestes a acontecer. Para ser claro, não quero dizer que a COVID-19 seja literalmente obra de Satanás; é um vírus e faz parte do nosso mundo caído. O que quero dizer é que Satanás pode usar a pandemia para atacar a fé, atacar o amor, atacar a esperança.

Mas Jesus usa exatamente as coisas que mais agradam ao diabo para frustrá-lo.

Diz o Catecismo:

“Deus Todo-Poderoso nunca permitiria que houvesse algum mal em suas obras se ele não fosse tão todo-poderoso e bom a ponto de fazer surgir o bem do próprio mal”.

A Homilia do Sábado Santo expressa como isso funciona na Páscoa: Satanás enganou Adão e Eva em um jardim, depois Jesus enganou Satanás em outro jardim. Eles estenderam as mãos para uma árvore da vida e tiveram a morte, depois Ele estendeu as mãos na cruz da morte para nos dar vida. O pecado deles os exilou do Éden, depois a misericórdia de Jesus os entronizaria no céu.

Do mesmo modo, Satanás se deleita com o enorme sofrimento que o coronavírus causa ao fazer as pessoas sofrerem e morrerem sozinhas – mas Jesus Cristo pretende transformar lágrimas solitárias em gritos de alegria no céu.

Adoro ver como os católicos estão encarando os aspectos da pandemia que agradam o diabo e usá-los para frustrar o mal.

Por exemplo: a pandemia nos separou da Missa, mas abriu muitas oportunidades para a fé.

“Se não fosse a pandemia, não teríamos tido um retiro como esse”, disse o padre Jay Kythe na manhã de Páscoa. Os monges da Abadia de São Bento, em Atchison, Kansas, mudaram o retiro presencial dos estudantes do Benedictine College para uma modalidade de encontro on-line, esperando que 100 pessoas pudessem participar. Três mil aderiram, de seis continentes (em parte, graças à Aleteia).

Como muitas outras pessoas em todo o país, o estudo bíblico da Ascension Press de que meu filho e eu estávamos participando teve que que ser cancelado. Mas, em vez disso, Jeff Cavins ofereceu uma versão on-line gratuita que alcançou muito mais do que os grupos paroquiais estavam alcançando.

Esse tipo de coisa está acontecendo repetidamente: sentimos falta de ir à Missa e retornaremos quando pudermos, mas obtivemos homilias notáveis ​​do bispo Robert Barron e do padre Michael Schmitz. O fato de que isso coincidiu com a Semana Santa significou que meus filhos ouviram – e têm ponderado e discutido – os mistérios fundamentais da fé dos principais pregadores de nosso tempo. Que frutos isso dará ao longo da vida?

Infelizmente, ansiedade, medo e conflitos são parte da experiência da pandemia. Mas o mesmo acontece com o amor.

No Benedictine College, percebemos desde o início que nossos alunos estavam reagindo à crise encontrando maneiras criativas e enérgicas de atingir outras pessoas.

Um aluno iniciou um plano para executar tarefas para grupos de risco. Outros encontraram maneiras de ajudar as crianças locais a aprender. Enfermeiras formadas em nosso Centro de Enfermagem Madre Teresa seguiram o exemplo de sua padroeira, arriscando-se pelos outros.

Assim como as histórias dos socorristas que correm em prédios em chamas para salvar outras se tornaram a narrativa duradoura dos ataques terroristas de 11 de setembro, as histórias de profissionais médicos, caminhoneiros e voluntários da comunidade estão se tornando a história duradoura da pandemia.

“Se não fosse pela pandemia …”

O padre Jay Kythe deu um testemunho notável naquele retiro da abadia. A pandemia o aterrorizou e o aborreceu a princípio, disse ele. Mas agora, ele descobriu que podia dizer: “Embora os tempos sejam difíceis, as pessoas estejam morrendo e existam doenças e tristezas, Deus está tramando algo”.

“Se não fosse a pandemia, não teríamos tido esse retiro. Se não fosse a pandemia, não teríamos nos conectado tão bem com muitos de vocês ”, disse ele. “Se não fosse a pandemia, bem, preencha o espaço em branco para você …” concluiu.

Eu aceitei o desafio. Veja o resultado:

Se não fosse a pandemia, minha família não passaria tanto tempo juntos através do Zoom.

Se não fosse a pandemia, os filhos de um amigo nunca teriam visto Jesus Cristo visitar sua própria rua na procissão eucarística.

Se não fosse a pandemia, uma amiga não teria apresentado seus filhos à oração silenciosa diariamente em casa.

Se não fosse a pandemia, muitos de nós nunca teriam tido tempo livre com nossas famílias do jeito que temos.

Se eu pudesse pular a pandemia, eu pularia – em um piscar de olhos. Mas Deus permitiu, e ele está tramando algo.

Via Aleteia

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.