Sabor da Palavra
  • A+
  • a-

São bem-aventurados os que não viram e creram

Comentário do Evangelho

São bem-aventurados os que não viram e creram

Várias vezes encontramos no evangelho de Mateus e, principalmente, no de Lucas, a proclamação: "bem-aventurados". Bem-aventurados, ou felizes, é a tradução da palavra grega macarioi que, em seu uso nos evangelhos, tem um conteúdo próprio designando um estado de beatitude ou felicidade divina. A tradução por "bem-aventurados", e lugar de "felizes", pode expressar melhor o sentido original da proclamação. O evangelho de Mateus repete nove vezes a proclamação "bem-aventurados" no início do Sermão da Montanha. Lucas, na passagem paralela, reúne quatro bem-aventuranças, porém ao longo de seu evangelho são encontradas outras doze destas proclamações, três delas especiais para Maria: "bem-aventurada a que creu" (Lc 1,45), "desde agora todas as gerações me considerarão bem-aventurada" (Lc 1,48), "bem-aventurada aquela que te concebeu e os seios que te amamentaram" (Lc 11,27). O evangelho de Marcos não menciona nenhuma bem-aventurança e no evangelho de João são encontradas duas delas: "Sabendo destas coisas, vós sereis bem-aventurados se as praticardes" (Jo 13,17) e "bem-aventurados aqueles que não viram e creram" (Jo 20,29). No tempo da encarnação os discípulos gozaram da bem-aventurança de ver e ouvir Jesus. Porém, terminado o ministério de Jesus na história, são bem-aventurados os que não viram e creram. Não são necessárias visões ou aparições para crer. A Joaquim e Ana aplica-se a bem-aventurança de serem pai e mãe de Maria.


José Raimundo Oliva