Pastoral do Dízimo
  • A+
  • a-

QUAL O FUNDAMENTO DO DIZIMO?

QUAL OFUNDAMENTO DO DIZIMO?

BÏBLIA: Gênesis 1,1-31.

De propósito iniciamos esses Temas de Reflexão com a primeira página da Bíblia. Chamamos a atenção de vocês sobre os versículos 12 e 13, e ainda o n.º 29. Em seguida leia os versículos 26 a 28.

Reflita sobre a criação, sobre o papel do homem no meio de todo o criado, sobre o homem "imagem de Deus", "Rei da Criação".

Perguntas:

1-Você viu nessa página da Bíblia alguma ligação com o dízimo? Qual?

2-De quem é o mundo e tudo o que ele contém? A quem foi entregue o mundo? Haverá motivos de agradecer a Deus? De que modo podemos agradecer tudo o que recebemos?

Comentário para o fim do 1º encontro

Deus criou o homem e todo o universo. Deus criou o homem inteligente e lhe confiou atarefa de governar o mundo. Todo o progresso, técnicas e descobertas do homem através dos tempos, é conseqüência do fato da criação.

Todo uso bom e correto, que o homem faz das coisas e dos animais, concorre para a ordem do mundo e louvor do Criador.

Tudo o que o homem consegue com seu trabalho, com sua dedicação, com seu esforço, é continuação do ato criador e amoroso de Deus. Ele nos criou, conversa nossa existência e nos possibilita trabalhar e produzir.

É justo que se sejamos gratos a Deus.

O dízimo é um sinal dessa gratidão.

O primeiro sentimento necessário para oferecer o dízimo é, portanto. A nossa gratidão, de reconhecimento e de amor a Deus, o dízimo não tem sentido!

REFLITAM e troquem idéias sobre essa realidade...

SEGUNDO ENCONTRO:

OFERECER O DÍZIMO NÃO SALVA NINGUÉM

BÍBLIA: Gênesis 4,1-8.

Abel e Caim já ofereciam espontaneamente o dízimo ao Senhor Deus. Cada um oferecia a Deus parte do resultado de seu trabalho: o pastor oferecia animais: o lavrador, frutos e cereais.

No entanto, a oferta de Abel agradou a Deus e a de Caim não foi aceita. Ambos intuíram a necessidade de oferecer o dízimo ao Senhor. Ou, quem sabe, eles e seus pais receberam do próprio Deus esse mandamento. Aparentemente ambos foram fiéis ao preceito e à consciência. Mas interiormente apenas Abel foi fiel e agradável a Deus.

Perguntas:

1-Por que a oferta de Caim não agradou a Deus?

2-Que diferença você vê na oferta de Abel e na de Caim?

3-No modo de dar, você vê alguma diferença importante? Qual?

4-Caim tinha motivos para matar Abel? Quais?

Comentários para o fim do 2º encontro

Oferecer dízimo não salva ninguém. Assim como ir à Missa, batizar, casar na Igreja, comungar não salvam.

Isso não quer dizer que o enumerados acima não tem valor ou importância. Pelo contrário, são coisas importantíssimas. São necessárias.

Porém, o que faz com o dízimo, a participacão nos sacramentos, os atos de caridade tenham valor é nosso sentimento interior. Um ato apenas exterior, como o de Caim, não tem valor. Enquanto Abel oferecia a Deus os primogênitos do rebanho e oferecia os animais mais gordos e perfeitos, porque desejava com sua oferta louvar a Deus e agradecer-lhe os dons recebidos, Caim "ofereceu frutos da terra", qualquer fruto, talvez os piores como muitos que fazem promessas e depois escolhem o bezerro mais raquítico e feio para cumprir o prometido.

Deus que ver o coração. A oferta do dízimo deve ser conseqüência de um ato de fé: Porque nós recebemos tudo de Deus, com gratidão e desprendimento lhe oferecemos o dizimo. Se o damos apenas para aparecer, ou ainda para ocultar nossos pecados e vida torta, teremos a sorte de Caim.

REFLITAM sobre o espírito do dízimo exposto acima.

TERCEIRO ENCONTRO:

É PRECISO SER DESAPEGADO

BÍBLIA: Gênesis 14,1-24.

Lendo com atenção essa passagem da Bíblia, vemos que Abraão deu ao sacerdote Melquisede a 10a parte do que ganhou naquela guerra. Vemos também que do restante não quis nada, mas deixou com aquelas que antes foram saqueados e roubados.

Perguntas:

1-Por que será que Abraão ofereceu a Melquisede, rei de Salém a sacerdote do Deus Altíssimo, 10% de tudo o que conquistou?

2-O rei de Sodoma se contentava apenas em receber de novo os homens que tinham sido feitos prisioneiros. Por que será que Abraão não ficou então com os bens?

3-O que você achou mais importante na leitura bíblica de hoje?

Comentário para o fim do 3º encontro

Gostaria que vocês observassem que Abraão era desapegado das riquezas. Como chefe da expedição, ele podia aproveitar-se daqueles despojados de guerra, mas não o fez. Também era bom e justo, pois sabia que aqueles que antes tinham sido roubados estavam sem nada e precisavam readquirir seus bens. Contudo, era justo também para com Deus e por isso ele ofereceu a décima parte, ou o dízimo, a Melquisede, sacerdote do Deus Altíssimo.

Por ser homem de fé, honesto e desapegado, Deus nunca deixou que faltasse nada a Abraão. Abraão foi homem poderoso, de muitos bens. Doar a Deus ou à Igreja de Deus, jamais deixará alguém pobre. Pelo contrário, Deus sempre recompensa quem dá de coração.

REFLITAM e troquem idéias. Será que hoje poderemos voltar a ser homens de fé, honestos e desapegados como o foi Abraão? Seríamos nós capazes de imitir sua atitude?

QUARTO ENCONTRO:

OFERECER DÍZIMO É RECONHECER O SENHOR COMO SEU DEUS

BÍBLIA: Gênesis 28, 16-22 e 35, 1-7.

Nessas duas citações do Gênesis destacamos duas coisas que nos parecem importantes: Jacó reconhece Deus como o único Senhor. (Como conseqüência enterra os ídolos, deuses falsos) e dá a Deus o dízimo de todos os seus bens.

Perguntas:

1-O que mais lhe chamou a atenção nessas leituras bíblicas?

2-Você não acha que em sua vida você também cultua deuses estranhos, ou ídolos?

3-Quais os ídolos mais comuns de hoje em dia?

4-O que Deus está lhe sugerindo através dessas leituras e do eco das mesmas em nossa conversa?

Comentário para o fim do 4º encontro

O dízimo deveria ser um testemunho de mudança de vida. Porque já não ponho minha esperança nos falsos deuses, como a riqueza, a glória, o domínio, o prazer carnal, mas sim em Deus, me volto para ele de todo o coração, sou-lhe grato, desprezo as coisas vãs e mundanas e sinto alegria em viver essa com Deus. Quero que outros também a vivam. Por isso ofereço o dízimo para que a Igreja tenha com que manter o culto, os ministros sagrados, a formação de novos sacerdotes, e a propagação da fé da caridade entre os homens.

Temos dificuldades de ofertar o dízimo e o verdadeiro dízimo é 10%, porque não se operou ainda em nós, como em Jacó, essa mudança radical de vida. Estamos ainda apegados ao ídolo do dinheiro e não somos capazes de enterrá-lo.

REFLITAM sobre isso! Troquem idéias! Tenho certeza de que muitos dirão não estão apegados ao dinheiro. Mas tenho mais certeza ainda de que quase todos dirão que pagar 10% de dízimo é impossível: e que talvez pagarão 1%, isto é, um centésimo.

Será que acertei? Se acertei convido-os a rezar sinceramente nessa noite para que Deus nos desapegue do "deus-dinheiro".

 

QUINTO ENCONTRO

SERÁ QUE PRECISAMOS SUSTENTAR OS PADRES?!

BÍBLIA: Números 18,20-32.

Perguntas:

1-Que mensagem você tira para a sua vida?

2-Hoje quem são os levitas?

3-Se no Antigo testamento os que prestavam os seus serviços no Templo recebiam o seu sustento do dízimo de seus irmãos, será que os consagrados ao serviço do Senhor, no Novo Testemunho, não merecem a mesma atenção?

Nas dioceses onde se implantou o dízimo e se aboliram as taxas e espórtulas "como a de Umuarama, no Paraná", se decidiu, através de assembléias diocesanas, oferecer um salário igual para todos os padres, separando o que é do padre e o que é da Igreja.

Pergunta:

Vocês estão de acordo com a decisão destas assembléias?

Comentário para o fim do 5º encontro

Quando os israelitas tomaram posse da terra que Deus lhes havia prometido, todos receberam terras para cultivar e para apascentar seus rebanhos, menos os levitas. Estes eram consagrados ao serviço do Templo esse dedicavam ás coisas de Deus. Por isso não recebiam como os outros. Recebiam porém o dízimo para seu sustento e para as despesas do culto.

Hoje o padre esta na mesma situação do levita. Ele não deve possuir terra, negócios ou profissão profunda: ele é consagrado ao serviço de Deus e dos irmãos. O padre que se dedica ao trabalho pastoral não tem tempo para uma profissão ou negócio. Por isso, do dinheiro oferecido pelos irmãos para as despesas da comunidade, ele recebe o necessário para viver.

O padre, Como todo batizado, é membro do Povo de Deus. Ganhando seu salário, deve também ele oferecer o dízimo para a comunidade dando testemunho de comunhão com os irmãos.

O salário do padre é pequeno, levando em conta seus longos anos de estudos. Mas ele não ficou padre para ganhar dinheiro nem para ficar rico. É bom que ele viva na simplicidade como a maioria de seus irmãos leigos.

REFLITAM: Será que com três salários mínimos o padre poderá com facilidade pagar as despesas da casa paroquial, as despesas pessoais, médico, farmácia, dentistas?...

SEXTO ENCONTRO

OFERECER BENS OU DINHEIRO?

BÍBLIA: Deuteronômio 14,22-29.

Com a centralização do culto em Jerusalém, nem todo mundo tinha condições de transportar as mercadorias: foi então permitido transformar o dízimo em dinheiro. Os dízimos serviam não só para os levitas, mas ainda para os necessidades: o estrangeiro "escravo", o órfão, a viúva bens...

As motivações para o dízimo são sempre as mesmas:

Deus os cumulou de muitos bens:

Deus continua a abençoar aqueles que oferecem o dízimo.

Perguntas:

1-Qual a mensagem importante que você tirou da leitura bíblica de hoje?

2-A igreja deve poder sempre ajudar os necessidades. Como poderá exercer esse serviço?

3-Se a oferta do dízimo for reduzido para 1%, será que as nossas Comunidades terão o necessário para seu sustento e para exercer ainda a caridade com os mais necessitados?

Comentário para o fim do 6º encontro

No início, desde as ofertas de Abel e Caim, se escolhiam as melhores coisas, as primícias, os primogênitos para ofertar a Deus. Depois, foi entrando o costume de vender todo o rebanho reservado a décima parte de venda para o Senhor.

Os católicos pararam de ofertar o dízimo segundo o mandamento do Senhor. Chegamos assim à modalidade de pagar uma quantia quando se podia um trabalho do padre, ou quando se recebia um sacramento. Além disso, o padre começou a fazer coleta de café, arroz, feijão, pelos sítios, a fim de vender e procurar suprir as necessidades da Comunidade. Isso, me parece, foi um grande retrocesso. Andamos para atrás.

Será que o padre não tem coisa mais importante para fazer que organizar campanha de cereais?

O pior é que a fama do padre passa a ser a daquele que só sabe pedir...Não seria bem mais simples que, ao vender seu café, venda todo e entregue para a igreja uma porcentagem do produto?

REFLITAM sobre a realidade a que nós mesmos levamos a Igreja e o padre, quanto ao dinheiro...

SÉTIMO ENCONTRO:

DÍZIMO E ESPÍRITO COMUNITÁRIO

BÍBLIA: Deuteronômio v26,1-15.

Esse texto apresenta o dízimo como ato de gratidão e reconhecimento para com Deus> A existência de Israel, a Terra Prometida, os frutos da terra, os rebanhos, TUDO É DOM DE DEUS.

Perguntas:

1-Você também tem motivos para ser grato a Deus?

2- O que mais o impressionou na lição bíblica de hoje?

3-Qual a ligação que você vê entre o dízimo e a comunidade?

Comentário para o fim do 7º encontro

Como vocês vim no texto bíblico de hoje, o dízimo não foi dado como obrigação particular para alguém. Ele foi dado para todo o povo de Israel, Povo de Deus. Além disso, havia todo um ritual para o dízimo. Não era uma sugestão de oferecer uma prenda ou dar um valor em dinheiro. Era coisa sagrada.

Hoje, o dízimo quer expressar a verdadeira ligação do cristão com a Igreja, e, mais concretamente, com a comunidade real onde ele vive o mistério da salvação. O dizimo e expressão do espirito comunitário, já existente, e elemento pedagógico de formação comunitária.

O espirito comunitário e, portanto, elemento indispensável para a implantação do dizimo, pois sem ele faltara o clima adequado, o ambiente natural para o êxito do sistema do dizimo.

De outro lado, o sistema do dizimo aceito com alegria, de modo responsável, aperfeiçoara sobremaneira a vida comunitária de nossas Cebs e de nossas paroquias.

Refletiam sobre esse assunto

Troquei idéias.

Busquem esclarecimentos..

Tirem conclusões...

OITAVO ENCONTRO:

O DÍZIMO E O SUSTENTO DO PADRE

BÍBLIA: Neemias 10,29-40.

Quando, depois do exílio, os israelitas se reuniram novamente, o dízimo foi restabelecido. Lendo atentamente a citação bíblica de hoje, vemos que uma das finalidades do dízimo era o sustento não apenas dos sacerdotes, mas de todos os que serviam no templo, como porteiros, cantores...

Perguntas:

1. O que você pode tirar da vida da comunidade israelitas do tempo de Neemias, que sirva hoje para sua comunidade?

2. O que você pode tirar daí para sua vida particular de cristão?

3. Você acha justo ou injusto que da contribuição que você e seus companheiros de comunidade oferecem para a igreja se paguem outras pessoas?

Comentário para o fim do 8ºencontro

Nós fazemos parte de uma sociedade e temos que nos sujeitar às exigências do nosso tempo. Hoje, para que uma paróquia funcione bem, é preciso que tenha padre(s),secretário(a),caseira ou cozinheira, zeladora, religiosas etc. Estas pessoas não vivem de vento; se elas se dedicam em tempo integral ao trabalho da paróquia, é justo que sejam remuneradas.

A igreja apregoa a justiça social: critica os exploradores que não remuneram devidamente os seus empregados; combate a discriminação da mulher e do menor que, mesmo fazendo trabalho igual ou melhor que um homem, quase sempre recebem menos clama contra a exploração das domésticas, sem os direitos sociais e com salário de miséria. Portanto a paróquia deve dar o exemplo pagando, pelo menos, o salário mínimo a toda pessoa que trabalha em tempo integral para a Igreja, registrando seus funcionários e proporcionando-lhes as regalias das leis sociais.

O dízimo paroquial deve arrecadar dos fiéis o suficiente para estas despesas e todas as despesas ordinárias da paróquia, como despesas do culto, locomoçäo e formação dos agentes de pastoral, material de escritório, limpeza e manutenção do templo...

REFLITAM sobre o exposto. Se o dízimo garantir o pagamento dos funcionários da paróquia, o padre terá mais tempo para se dedicar à pastoral, preparar melhor as homilias, cursos de formação. Então os leigos poderão exigir mais dos padres neste campo. Que acham?

NONO ENCONTRO:

DE QUEM SERÁ A CULPA?

BÍBLIA: Neemias 12;43-47 e 13,10-13.

Observações:

1º-O povo de judá alegra-se vendo sacerdotes, levitas, porteiros e cantores nos seus respectivos postos executando seus trabalhos.

2º-Mas o mesmo povo se entristece, depois, ao constatar que, por não receberem o dízimo, os encarregados os serviços do templo buscam subsistência com outros trabalhos.

Perguntas:

1-O que esses fatos falam para você?

2-Como você liga esses fatos bíblicos com o sistema atual de subsistência dos padres e seus auxiliares?

3-Voce acredita que a implantação sistemática do dízimo, hoje solucionaria também para nós esses problemas?

Comentários para o fim do 9ºencontro

Nós não pretendemos aqui defender todos os padres. Alguns infelizmente, tem nas veias sangue de comerciante. Mas são minoria. Muitos, porém, são obrigados pelas circunstancias a buscar alguma fonte de renda com terras e negócios. Outros, calejados pelo costume, são eternos pedintes. Há mesmo aqueles que não sabem fazer um sermão ou homilia sem pedir dinheiro.

Tudo isso incomoda, desagrada, espanta, aborrece.

Encontramos padres que vão se transformando em professores assalariados pelo governo ou por particulares; padres que se empregam em fábricas ou escritórios e departamentos sociais. Dizem que vão no intuito de fazer apostolado, mas não se sabe até que ponto...

PARA REFLETIR: Será que você não tem uma parcela de culpa nessa realidade? Será que com o não nos interessarmos mais em oferecer o dízimo levamos os padres a essa visão e atitude que agora recriminamos? Será que como membros da comunidade poderemos oferecer a eles oportunidades para uma vida mais consagrada e evangélica?

QUE CONCLUSAO prática podemos tirar para melhorar a situação?

DÉCIMO ENCONTRO:

O DÍZIMO NÃO EMPOBRECE NINGUÉM

BÍBLIA: Tobias 1,5-8 e Malaquias 3,7-12.

Há muita gente que tem medo de ficar pobre ofertando o dízimo. Os exemplos bíblicos e os exemplos de cristãos dos primeiros séculos, e mesmo de alguns de nossos dias, mostram o contrário.

As palavras dirigidas porm Deus ao povo, através do profeta Malaquias, são bem duras e devem dar o que pensar...

Perguntas:

1-O que o exemplo de Tobias e de tantos outros grandes personagens da bíblia dizem para você?

2-Você se acha merecedor das queixas de Deus através de Malaquias, ou se considera irrepreensível quanto a este ponto?

3-Você se acha muito apegado ao dinheiro?

4-Você não acredita que Deus é mais generoso que você? E que portanto o recompensará ao cêntuplo?

Comentário para o fim do 10º encontro

Diz o quinto mandamento da Igreja: PAGAR DÍZIMO SEGUNDO O COSTUME. Muitos se acostumaram a dar chorando uma espórtula, uma prenda para a quermesse, ou uma notinha rasgada de cem cruzados na coleta da missa. E acham que esse costume está bom.

Duas coisas se notam aqui: A primeira é a acomodação. Acomodamo-nos e não queremos mudar nada. Para se desculpar, os desse parecer observam: E quem é que disse que vamos implantar o dízimo para ganhar mais dinheiro? Se fosse essa intenção, estaríamos pecando! O dízimo quer sim, criar um espírito comunitário de cor-responsabilidade e compromisso.

A Segunda é na realidade um grande apego ao dinheiro. É o medo de desembolsar um pouco mais. É o medo de ficar pobre. E jamais se ouviu dizer que alguém por ofertar o dízimo tenha empobrecido. É que muitos tem no dinheiro o seu ‘’Deus’’. E o Senhor nos preveniu que os avarentos não herdarão os céus...

COLOQUEM em comum seus pontos de vista.

Falem com sinceridade.

Abram-se à ação de Deus.