Palavra do Pastor
  • A+
  • a-

Mensagem de Natal e Ano Novo

Mensagem de Natal

 

Seguindo a história da salvação que no tempo vai deixando seu rasto e apontando para um futuro promissor, na liturgia unimos o que já foi com o que ainda será na eternidade de Deus, que se nos deu em Cristo Jesus – o prometido, que vindo habitar entre nós, nascendo de Maria, nos redimiu e salvou pela sua paixão-morte-ressurreição e um dia há de vir em sua glória, para nos conceder em plenitude o que ora com júbilo esperamos celebrando na solene liturgia.

No tempo do Advento e mais ainda na novena escutamos na liturgia da palavra os sonhos proféticos de Isaías que anunciava a vinda do Messias: “Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Emanuel...”(Is 7,14b), isto é, Ele será Deus mesmo conosco que assumindo nossa humanidade em Maria, se fez um de nós. Surgirá do âmago dos anseios do povo e a partir do mais consistente desabrochará irrompendo o novo de Deus, aparentemente frágil, mas será belo, vigoroso e eficaz: “Nascerá uma haste do tronco de Jessé e, a partir da raiz, surgirá o rebento de uma flor..” (Is 11,1)

A intervenção de Deus na história é anunciada por seu mensageiro “o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um varão chamado José, da casa de Davi; e o nome da virgem era Maria”. (Lc 1, 26s) O conteúdo da saudação o povo de Deus sabe de cor e salteado: ‘Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco’. O anjo da boa notícia tem a missão de tornar Maria convicta do intento do seu Senhor: “Não temas, Maria! Encontraste graça junto de Deus. Eis que conceberás no teu seio e darás à luz um filho, e tu o chamarás com o nome de Jesus. Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai...” (Lc 1, 30-32). Na comunicação Gabriel recupera as promessas feitas por Deus ao povo da Antiga Aliança e assim preenche o imaginário de Maria, fazendo-a se sentir responsável pela vinda do Redentor que por primeiro redimiria a ela mesma. “Disse, então, Maria: ‘Eu sou a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!’ E o anjo a deixou.” (Lc 1,38)

Irmãos e irmãs, anualmente iniciamos o Ano Litúrgico com as duas esperas: a segunda vinda gloriosa que só o Pai sabe quando acontecerá e a celebração festiva da primeira vinda humilde e simples em Belém. Pois é, assim como o anjo Gabriel retirou-se depois do sim de Maria, por que tocaria à virgem de Nazaré continuar o projeto de Deus; assim como coube aos Apóstolos a continuação da obra de Jesus Cristo após sua ascensão, é responsabilidade nossa nos tempos de hoje o anúncio alegre e conseqüente da ação de Deus no mundo em Jesus Cristo. Sermos portadores de boas notícias é missão de cada um de nós e de toda a Igreja, assim como aguçarmos a percepção dos sinais do Reino na vida do povo de Deus é imperativo da nossa ação evangelizadora, como Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Desejo a todos e a todas

um Natal vivido na simplicidade do nascimento do menino-Deus;

um Natal vivido na alegria dos pobres pastores de Belém;

um Natal vivido na certeza de São José;

um Natal vivido na convicção de Maria – a grande cooperadora e predileta de Deus;

um Natal vivido na comunhão com toda a obra do Criador!

 

Um abraço congraçador, Dom Sebastião Limas Duarte - Bispo de Viana