Diocese de Viana

(98) 3351-1174

Notícias › 19/12/2019

Papa a embaixadores: o caminho para a paz começa com a reconciliação

cq5dam-thumbnail-cropped-1000-563

O primeiro compromisso oficial do Papa Francisco nesta quinta-feira foi a audiência aos embaixadores de Seychelles, Mali, Andorra, Quênia, Letônia e Niger, para a apresentação de suas credenciais.

Para um grupo tão heterogêneo de países, em seu discurso Francisco destacou dois aspectos: a paz e o respeito pelo meio ambiente.

O diálogo é essencial

“O nosso encontro de hoje se realiza enquanto os cristãos de todo o mundo se preparam para celebrar o nascimento Daquele ao qual nos dirigimos como Príncipe da paz”, disse o Pontífice, recordando que a paz é a aspiração de toda a família humana.

Todavia, constatou, o mundo hoje é “tristemente” marcado por conflitos civis, regionais e internacionais, divisões sociais e desigualdades. Por isso, é “essencial” empreender um diálogo construtivo e criativo. Neste esforço, Francisco garantiu o compromisso da Igreja Católica em colaborar com todo parceiro responsável em promover o bem de toda pessoa e de todos os povos.

O caminho rumo à paz, acrescentou, tem início com a abertura à reconciliação e citou um trecho de sua mensagem para o Dia Mundial da Paz de 2020, em que escreve que é preciso abandonar o desejo de dominar os outros e aprender a nos olhar como irmãos.

“Somente quando colocamos de lado a indiferença e o medo pode crescer e prosperar um verdadeiro clima de respeito recíproco. Isso, por sua vez, leva ao desenvolvimento de uma cultura da inclusão, a um sistema econômico mais justo e a várias oportunidades para a participação de todos à vida social e política.”

Para Francisco, a presença dos embaixadores já é por si um sinal da vontade dos países que representam de enfrentar as situações de injustiça, discriminação, pobreza e desigualdades que afligem o mundo.

Exploração: obstáculo para a paz

Como um dos obstáculos para a paz o Pontífice apontou o desrespeito pela Casa Comum, em especial com a exploração abusiva dos recursos naturais. O Papa mencionou o recente Sínodo para a Pan-amazônia, que fez um apelo por um renovado apreço da relação entre comunidade e terra, presente e passado e entre experiência e esperança.

“O empenho por uma gestão responsável da terra e dos seus recursos é urgentemente desejado em todos os níveis, da educação familiar à vida social e civil, até as decisões políticas e econômicas.”

O Pontífice concluiu desejando que a missão dos novos embaixadores junto à Santa Sé seja profícua e formulando votos de paz e Feliz Natal a todos os povos que representam.

Via Vatican News

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.