Reflexão Diária
  • A+
  • a-

A cura interior acontece só quando Cristo fica maior do que nós


“Quem diz que permanece em Deus, deve caminhar pessoalmente como Jesus caminhou”. Essas palavras não são minhas são escritos bíblicos contidos em São João no capítulo 2.


Fiquei então a pensar sobre essas palavras e parei numa delas, em especial, a palavra “pessoalmente.”
Como posso entender que para permanecer em Deus devo caminhar pessoalmente como Jesus?
Quando digo: Falo pessoalmente para você. É a mesma coisa que dizer: Falo particularmente para você.
Para que eu permaneça em Deus, devo andar de forma particular, como Jesus. Assim, devo andar particularmente como Jesus, ou seja, devo caminhar como Jesus, significando ainda mais, que devo viver como Jesus.
Portanto, quem diz que permanece que continua que está em Deus, que é de Deus, que faz a vontade de Deus, deve viver como Jesus viveu.

Quando lemos por ler, as palavras não passam de palavras bonitas, mas quando você decide encarnar a palavra, colocá-la na sua vida, viver essa palavra, você vai meditando, saboreando cada palavra e deixando-a germinar dentro de você.

Se permanecer em Deus, devo viver como Jesus viveu. Ao final cheguei através do Santo Espírito a esse entendimento.

E como Jesus viveu?
Jesus teve compaixão, de Marta e Maria e se emocionou por Lázaro e, o ressuscitou, dando graças ao Pai celestial.
Jesus expulsou demônios.
Jesus curou os doentes
Jesus fez a vontade de Deus
Jesus foi obediente ao pai celestial e os seus pais terrenos
Jesus orou em todas as situações, ficou de joelhos, passou pela agonia, pelo sofrimento, etc.
Jesus chamou os pecadores, entre eles, Maria Madalena, quem não tem pecado que atire a primeira pedra.
Jesus acolheu Zaqueu, desce daí, porque hoje quero estar contigo na tua casa.
Jesus nos ensinou a orar,
Jesus preparou os discípulos para a missão
Jesus perdoou até os que lhe crucificaram, Pai perdoai-lhes porque não sabem o que fazem.
Jesus falou a verdade e ainda disse, que porque falava a verdade o mundo o odiava, mas que nós o mundo não odeia, pois falamos a linguagem do mundo e a dele é uma linguagem espiritual e que por isso o odiavam e queriam matá-lo.
Jesus disse que não veio para os sadios e sim para os doentes.
Jesus fez cura, milagres e prodígios.
Jesus foi perseguido, humilhado e maltratado
Jesus foi tido como mentiroso, como falso profeta, como aquele que era do maligno.
Jesus foi crucificado
Jesus sequer foi reconhecido como aquele que tinha uma missão especial, nem mesmo pelos seus familiares.


Então, quem permanece em Deus, deve viver como Jesus viveu, isso significa que farei as mesmas coisas que ele, caminharei no mesmo caminho, nas mesmas situações.

Tem tudo haver com o artigo que escrevi anteriormente, pois foi dito em Isaías, que o Senhor me ungiu para levar a boa nova aos pobres, para curar os de coração aflito, anunciar aos cativos a libertação, aos prisioneiros o alvará de soltura.

Sempre senti que o Senhor me chamou para isso, Exatamente isso. E você?
Agora ele nos confirma através desse raciocínio e, mais, ele não chamou só a mim, para fazer isso, ele chama você. Ele chama todos nós, pois quem permanece em Deus, deve viver como Jesus viveu.
Como podemos fazer isso?
Se não sabemos é por que o nosso coração está fechado. Lembra do que eu disse? Senti o amor de Deus, tive um encontro pessoal com ele, senti o derramamento do Espírito Santo na minha vida, o meu coração ardia de amor, mas faltava algo.
Faltava, porque eu acreditava em Jesus, escutava a sua palavra, mas estava com o coração fechado e fingia não querer ouvir.
Quando decidi confiar em Jesus, escutar a palavra (com atenção), não basta só escutar, é preciso escutar com atenção e querer que ele faça uma obra nova, daí, nesse seu querer, ele vai abrir o seu coração e fazer com que você aceite a palavra e ao aceitar a palavra, você estará aceitando tudo até mesmo o que ele te propõe.
Você vai se configurar ao Cristo Jesus.
Como podemos mudar?
Tava imaginando aquela passagem que fincaram a lança em Jesus, quando ele já estava morto na cruz e o fez por amor a nós e obediência ao pai e, que saiu sangue e água.
Penso que devemos pegar a lança da oração, principalmente a adoração ao santíssimo, a palavra de Deus e a eucaristia e fincar no nosso coração, para que ele se abra, e nos arrependamos e nos convertamos e nos unamos ao coração de Jesus, que foi transpassado pela lança da maldade.
Fazendo assim, creio que poderemos chegar àquilo que a Comunidade Shalom prega constantemente que é ordenar o passado para o amor. No livro tecendo fio de ouro, diz que devemos pegar a lança do rio congelado que é o nosso passado e fincar para que o gelo derreta e revivendo esse passado vou assim ordenar todas as situações para o amor.
Quando morre alguém, as partes interessadas entram na justiça, com um processo, para a divisão certa dos bens, para a partilha. Quando não têm interesse em dar continuidade ao feito, preferem deixar as coisas como estão, o Juiz mandar arquivar o processo e só então, quando tiverem interesse mandam desarquivar para dar andamento.
Não tenho dúvidas de que no nosso passado morto, aquele processo que não demos andamento, que preferimos arquivar e não falar mais nada a respeito, ele traz conseqüências desastrosas no nosso interior. Esse é um passado congelado, cujo processo precisa ser reaberto para que possamos dar uma sentença. Para assim, ele não ficar sem fim.
Dou um exemplo para vocês de que a minha vida inteira briguei com o meu pai e já tive ódio dele de tremer, de chorar, de sofrer e pessoas presenciavam essas situações. Na verdade condenei o meu pai, sem direito a defesa.
Com o passar dos anos e já sentindo o amor de Deus, dando testemunhos em encontros de casais, na própria renovação, o Senhor foi me curando, como a mágoa era muito grande demorou anos para isso ocorrer, pois realmente queria perdoar, mas o meu coração não se abria ao perdão.
Então, aos poucos fui perdoando, não tanto pelo coração, mas pelo ato de vontade, que era imenso.
Já no final de vida do meu pai já o tinha perdoado por completo. Como sei que o perdoei? Porque não sinto dor.
Quando você é capaz de olhar para o seu passado sem dor é porque ele não te afeta mais.
Então, depois de alguns anos, fui fazer Retiros de Cura Interior e vim a entender a história do meu pai, visto que o havia perdoado, mas ficava imaginando porque ele agia daquela forma comigo e com os meus familiares.
Quando vi a história de vida dele, que sua mãe tinha quase cinqüenta anos de idade, quando o teve, que o rejeitou, que escondia a barriga de vergonha e tantas outras coisas, então pude perceber certas atitudes de meu pai que não aceitava.
Ao verificar a história de vida do meu pai, tudo o que aconteceu com ele, digo que aquele homem que condenei, passou a ser vítima. E pude anular aquela sentença dada a ele de réu, passando agora para a qualidade de vítima.
Que isso fique de exemplo, para não condenarmos as pessoas.
Vi que o que descongelou o meu passado foi o Coração de Jesus, no santíssimo sacramento. Não tenho dúvidas disso, que aquela lança que perfurou Jesus, saindo do seu lado água e sangue, foi lavando a minha mentalidade, o meu jeito de ser, o meu jeito de agir.
Portanto, a lança da oração, da palavra de Deus, da eucaristia, deve ser arremessada dentro de nós e através da água e do sangue de Jesus, lavar a nossa mente do homem velho e da mentalidade arcaica e nos purificar de toda imundície, fazendo-nos entender que precisamos de autoconhecimento, pois a cura interior acontece só quando Cristo fica maior do que nós, esse é o verdadeiro tesouro.

RCC - Renovação Carismatica Católica