Lectio Patrum
  • A+
  • a-

O Binômio Patrologia-Patrística

 A ciência que estuda os Padres da Igreja se denomina normalmente de patrologia, termo que está composto das palavras gregas πατηρ (Padre) e λóγoς (Ciência). As obras dos padres também são estudadas pela patrística e pela literatura cristã antiga.

     Patrologia como se sabe, foi um termo cunhado por um teólogo protestante J. Gerhard em sua obra patrologia sive de primitivae ecclesiae christianae doctorum vita ac locubrationibus opusculum (patrologia ou vida e obras dos doutores da Igreja cristã primitiva (Jena 1653). Tem como objeto de estudo a vida e os escritos dos padres, movendo-se mais a nível da investigação histórica e da informação biográfica e literária, porque tem uma natural conexão com a ciência da história da Igreja.

     Patrística designa desde o século XVII a teologia patrística que tem como objeto de estudo a teologia dogmática dos padres, a saber, sobre a doutrina trinitária, cristológica, sacramentaria, antropológica etc. Assim se pode distinguir esta especialidade de outros ramos do saber teológico, como o são a teologia bíblica, escolástica, etc que estudam esses mesmos temas com distintas perspectivas e métodos.

     A literatura cristã antiga ou também primitiva, é a denominação que se dá a esta ciência por parte de filólogos e historiadores do século XX, que incluem as obras literária do cristianismo primitivo na literatura clássica grecoromana e, por conseguinte, na história Universal. Embora não seja uma disciplina em si mesmo teológica, está intrinsecamente unida a patrologia-patrística, não porque esta se beneficia necessariamente dos estudos filológicos e históricos, como também porque estes últimos não podem prescindir da dimensão teológica dos textos patristicos.

Sintese:

- Patrística/patrístico = a era dos padres/ pertencente á época, aos escritos, aos pensamento...da literatura cristã antiga.

-  Patrologia = ciência da literatura cristã antiga.

Fonte:  VICIANO, Albert. Patrologia. Edicep C.B. Valencia (Espanha) 2001.

 

Pe. George Luis Amaral Muniz, do clero de Viana

Estudante de teologia patrística e história da teologia, Gregoriana, Roma